Make your own free website on Tripod.com

Botões de navegação

Personagens da Novela

Birds1.gif (7152 bytes)

Carlos

Carlos

Personagem modelada, rica de vida interior, sofre uma evolução psicológica ao longo da obra.

É o personagem central no qual o autor vazou a sua própria personalidade, procurando justificá-la e tomando a sua defesa: "Leitor amigo e benévolo, caro leitor meu indulgente, não acuses, não julgues à pressa o meu pobre Carlos." (Cap.XXII)

É o típico exemplo da galeria romântica dos homens fatais, que espalham à sua volta a destruição e o sofrimento. Egoísta até à comiseração que sente por si mesmo, retira dos outros aquilo que eles lhe podem dar, mas nunca retribui, porque é incapaz. "Quero contar-te a minha história: verás nela o que vale um homem. Sabe que os não há melhores que eu: e tão bons, poucos. Olha o que será o resto!" (Cap.XLIV)

É um puro coração que a sociedade transformou num céptico, um sentimental arrastado por um coração demasiado grande e sensível que não sabia obedecer à razão ou à vontade.

Com um carácter inconstante, não consegue encontrar-se a si próprio nem identificar-se com o seu verdadeiro eu, simbolizado por Joaninha. Tem uma tendência mórbida para a volubilidade.

Birds1.gif (7152 bytes)

Joaninha

Verdadeiro personagem-tipo, de vida interior muito esbatida, cuja função é mostrar a destruição de carácteres como o de Carlos.

É uma adolescente natural, impoluída, misto de criança e de mulher, ideal de espiritualidade.

Uma rapariga sentimental, ingénua e pura, sem artifícios da convivência que, ao primeiro combate com as injustiças e crueldades sociais enlouquece e morre, vítima inocente da fatalidade.

Personifica a graça, a fragilidade, o espírito de sacrifício e o encanto feminino na concepção do autor.

Polariza todas as mulheres que Carlos amou, todas as suas paixões e anseios amorosos.

Joaninha

Birds1.gif (7152 bytes)

Frei Dinis

Frei Dinis

Personagem determinante do conflito, de certa densidade psicológica e de alguma evolução ao longo da obra.

Simboliza as ideias absolutistas que defendiam que o poder do Rei é legado por Deus para governar a nação seguindo os preceitos evangélicos.

"católico sincero e frade no coração" (Cap. XV), "o frade mais austéro e pregador mais eloquente daquele tempo" (Cap. XVI), "homem extraordinário que juntava a uma erudição imensa o profundo conhecimento dos homens e do mundo", "homem de princípios austéros, de crenças rígidas e de uma lógica inflexível e teimosa". (Cap. XV)

"um ser de mistério e de terror", "o cúmplice e o verdugo de uma grande crise", encarna a ideia cristã da penitência, vive para expiar, sendo objecto de uma cólera divina.

É uma figura que tem como função na obra  criar uma atmosfera de terror, fazendo prever ao leitor uma fatalidade eminente e um mistério terrível.

Representa também o frade-tipo, atormentado pelo remorso, perseguido ainda pelo mundo na cela do seu convento, monge austéro e ameaçador que abomina as doutrina liberais e a heresia.

Personagem aparentemente rigoroso e malévolo, como é característico do frade romântico.

Antes de ser frade, Dinis de Ataíde era materialista, dominado por paixões que levarão ao nascimento do próprio Carlos, à morte de sua mãe e ao assassínio do pai de Joaninha e do marido da mãe de Carlos. Estes pecados levá-lo-ão a professar, abandonando a vida material para se tornar espiritualista.

 

Birds1.gif (7152 bytes)

Carlos segue um percurso inverso: quando jovem soldado do exército liberal era idealista, desprendido das coisas materiais; com a instalação do Novo Regime (liberalismo), a sociedade torna-se profundamente materialista e Carlos transforma-se em barão, o símbolo mais perfeito do materialismo burguês.

Birds1.gif (7152 bytes)

Georgina

"Uma bela mulher de estatura não acima da ordinária", "a cabeça com uns laços de preto e cor de granada (…) um rosto oval, clássico, perfeito, sem grande mobilidade de expressão mas belo" (Cap. XXXII)

Mulher madura no pensar, enérgica, de personalidade forte e firme, embora não perdendo a sua sensibilidade de mulher.

Simboliza o espírito de abnegação, sacrifício e de renúncia.

Tanto ela como Joaninha são personagens individuais, que não representam qualquer grupo social.

 

 

Georgina

Birds1.gif (7152 bytes)

Avó

Gravuras de Paulo Ribeiro

Avó

Paciente, terna, carinhosa e amante dos netos. O seu comportamento quase não sofre alterações do princípio ao fim da novela.

Está mais ligada ao passado do que ao presente, só ela conhece o mistério da família e os crimes de Frei Dinis.

Desempenha um papel decisivo na cena do reconhecimento. É ela que impede Carlos de assassinar Frei Dinis, revelando-lhe que ele é seu pai. "Filho, meu filho! - arrancou a velha com estertor do peito: - É teu pai, meu filho. Este homem é teu pai, Carlos". (Cap.XXXV)

A morte dos filhos, da nora e do genro levá-la-ão à cegueira de tanto chorar, com a morte da neta (Joaninha) deixará de existir como ser humano, aguardando apenas a morte física.

A estagnação das perspectivas da sua vida poderá simbolicamente ser associada com a situação de Portugal ("pátria moribunda").

Novela

Biografia | Romantismo | Monumentos | Enq. Histórico | Home